Os esportes como conteúdo das Práticas Aquáticas: conhecendo a NATAÇÃO – nados costas, borboleta e medley

Por Cristine, Fernanda e Tatiana

Olá, tudo bem? Estamos felizes em tê-los por aqui. Hoje vamos dar continuidade ao estudo da Natação. Você acompanhou a postagem anterior sobre este tema? Caso sua resposta tenha sido não, você pode usar o link para acessá-la.

Lá introduzimos a temática abordando: o que é nadar, a modalidade esportiva natação e os nados peito e crawl. Hoje, vamos discorrer sobre os nados Borboleta, Costas e Medley. Estão curiosos? Então nos acompanhem nessa leitura… 

BORBOLETA

Os movimentos característicos do nado borboleta foi inventado em 1932 pelo australiano Sydney Cavill, treinador de natação em São Francisco (Califórnia) e adotado pelo americano Henry Myers em uma competição de nado peito em 1933. No ano seguinte, outro treinador, David Armbruster, refinou o método e propôs o movimento simultâneo dos braços que deviam ser realizados acima da água, no momento da respiração.   

Já em 1935Jack Sieg voltou sua atenção para o movimento das pernas no nado borboleta e o aperfeiçoou. A pernada passou então a ser semelhante ao movimento realizado pelos golfinhos, o que faz com que até hoje esse seja o apelido do nado borboleta.  

Por causa de incertezas no regulamento da FINA, e das similaridades iniciais desses nados, o peito e o borboleta, até 1952 eram considerados o mesmo nado, sendo com isso agrupados, na mesma prova. Entretanto, a cada refinamento do nado borboleta, ficava mais evidente que ele era mais rápido que o nado peito. Entretanto, foi apenas com a popularização do nado Borboleta que a Federação o oficializou. Isso aconteceu em 1955, quase 20 anos após o seu surgimento

Plasticamente o Borboleta é o nado mais bonito e é também considerado o mais difícil de ser aprendido. Ele é associado a força e ao sincronismo e faz parte dos quatro nados competitivos. No Brasil uma de suas pioneiras foi a atleta Maria Lenk, na década de 30. 

A técnica do nado Borboleta faz com que o nadador assuma decúbito ventral (deitado de barriga para baixo) e movimente o corpo através de ondulações do quadril até os pés. Esse movimento acontece “para cima e para baixo” e de modo simultâneo. Em seguida o nadador movimenta os braços puxando-os para fora da água e os direcionando simultaneamente para frente.  

No que diz respeito à respiração, esta acontece de forma sincronizada ao movimento dos braços. Inicia-se com o movimento de preparação de retirada dos braços da água, que acontece quando os braços estão em máxima extensão. Durante a fase aérea dos braços, ombros e cabeça são retirados da água e a fase de inspiração acontece. Finda-se com a expiração quando acontece o retorno do rosto do nadador para a água que é quando a braçada é concluída. 

Embora alguns nadadores lateralizem a cabeça durante a respiração do nado borboleta, ela é caracterizada como frontal, ou seja, a posição do queixo do nadador é para frente e paralelo a água. 

Como no nado crawl e peito, a prova do nado borboleta, inicia-se com mergulho em cima do bloco de partida. A cada virada e na chegada, o toque a parede, deve ser efetuado com ambas as mãos simultaneamente, acima, abaixo ou no nível da superfície da água. Após a saída e a cada volta, o nadador pode realizar uma ou mais pernadas e uma braçada sob a água, que deve trazê-lo à superfície, e só então retomar o nado. 

As provas oficiais do nado borboleta são: 50 m, 100 m e 200 m (em piscinas curtas e longas). 

COSTAS

Em 1794, o italiano Oronzio de Bernadi , apresentou a primeira forma do nado costas que tinha o movimento dos braços simultâneos lançados para trás. A versão atual passou a ser caracterizada a partir de 1912

A inserção do nado costas no programa olímpico aconteceu a partir de 1900 em Paris. Mas sua popularização aconteceu apenas em 1912, nos Jogos Olímpicos de Estocolmo, quando o americano Harry Hebner venceu o 100 m Costas aplicando o movimento dos braços alternados. 

Em se tratando de seus aspectos técnicos, pode-se dizer que o nado Costas é similar ao Crawl, mas de forma invertida. É por isso que ele é apelidado como “Crawl ao contrário”.  

Este nado tem fundamental importância nos cursos de práticas aquáticas por poder ser utilizado como um nado de sobrevivência. Isso porque conseguimos manter o rosto fora da água durante sua execução.  

O Costas também compõe os quatro nados competitivos. Como o próprio nome sugere, a posição do nadador é em decúbito dorsal (com as costas voltadas para o fundo da piscina) e braços e pernas se movimentam de forma alternada, contínua e coordenada

Pelo fato de o rosto do atleta permanecer fora da água, a respiração neste nado é feita de forma livre

A pernada tem a função de sustentar o corpo em alinhamento horizontal e realizar a propulsão do nado promovendo o deslocamento e o equilíbrio de seus movimentos.  

Este é o único nado em que a saída do atleta é realizada dentro da água. Durante a virada qualquer parte do corpo do atleta pode tocar a parede. Ela é feita com uma cambalhota e o nadador tem que retomar à posição de costas após deixar a parede. 

Ao final da prova, o nadador tem que tocar a parede, com uma das mãos, na posição de costas na sua respectiva raia. 

As provas oficiais do nado costas são: 50 m, 100 m e 200 m (em piscinas curtas e longas). 

MEDLEY

O nado Medley compreende os quatro nados. Cada nado tem que respeitar suas regras oficiais. E respeitam uma sequência pré-determina a ser descrita a seguir. 

Na prova de Medley individual, o atleta nada os quatros nados na seguinte ordem: borboleta, costas, peito e livre. Cada nado deve percorrer um quarto (1/4) da distância.  

Medley requer um grande preparo e um domínio completo dos quatro nados, por parte do atleta. E é justamente essa fusão de nados e habilidades o que torna o Medley uma das provas mais interessantes e desafiadoras da natação. 

Os destaques brasileiros fazem parte das provas individuais e são: Ricardo Prado (medalha de prata – 400 m Medley em Los Angeles, 1984), Thiago Pereira (medalha de prata – 400 m Medley em Londres 2012), Joana Maranhão (Recordista sul-americana 200 m Medley em 2009 e Recordista brasileira no 400 m Medley em 2015) entre outros.  

Nas provas de revezamento Medley, os atletas nadam os quatro nados na seguinte ordem: costas, peito, borboleta e livre. Cada nadador deve percorrer um quarto (1/4) da distância.  

Neste formato o primeiro nadador parte de dentro d’água e os demais do bloco de partida. O nadador só pode mergulhar, quando o que estiver na água bater a mão na parede. Caso isso não ocorra, a equipe é desclassificada por “queimar a largada”. 

Sabia que antes da incorporação do Borboleta como nado competitivo, o Medley era composto pelos três nados até então reconhecidos? Pois é, o medley era composto pelos nados crawl, peito e costas. 

A primeira vez em que esta prova esteve presente nos Jogos Olímpicos foi em 1960, em Roma. Nesta edição, os Estados Unidos venceram tanto a prova feminina quanto masculina. 

Desde 2015, em Mundiais de Esportes Aquáticos, são disputados dois revezamentos mistos: 4 x 100 m Livre e 4 x 100 m Medley. Estas provas são disputadas por 2 mulheres e 2 homens obrigatoriamente. Na próxima Olimpíadas Tóquio 2020/21 estas provas estarão presentes pela primeira vez. 

As provas oficiais disputadas do nado Medley são:

Recentemente alguns países tem vivenciado o “Medley misterioso”. Essa proposta surgiu na Austrália e tem estado presente nos eventos americanos. Através de sorteio os atletas tem suas raias e ordens de nados determinada e é assim que se formam as equipes. Isso deixa a disputa ainda mais imprevisível e com muitas trocas de posição durante a disputa, já que os atletas entram na prova sem saber qual a ordem que deverão nadar, e por isso tem atraído a atenção do público. 

Quanta informação, não é mesmo? Gostaram de conhecer um pouco mais sobre a natação?  Espero que sim e não esqueça de compartilhar nos comentários qual o seu nado favorito.  

Também preparamos um vídeo muito legal para você conhecer algumas técnicas dos nados borboleta e costas. Não deixe de assistir!

Clique e assista!!!!

Acompanhe nossas redes e os demais canais e fique atento que em breve teremos novas publicações. 

Um grande abraço e até breve! 

Fonte das Imagens

Imagem 1: https://swimchannel.net/borboleta/

Imagem 2: https://www.folhavitoria.com.br/esportes/noticia/11/2016/nova-geracao-da-natacao-brasileira-forma-podio-dos-100m-livre-no-torneio-open

Imagem 3: https://swimchannel.net/costas/

Imagem 4: https://www.regrasdenatacao.com.br/a-posicao-dos-pes/

Imagem 5: https://www.surtoolimpico.com.br/2018/04/fina-divulga-indices-da-natacao-para-o.html

Imagem 6: https://bestswimming.swimchannel.net/2020/10/01/china-bate-o-recorde-mundial-do-4×100-medley-misto-348-41/

Publicado por Equipe Atividades Aquáticas

Coletivo de Educadores dedicados à aprendizagem das habilidades e competências aquáticas. Mergulhe conosco.

2 comentários em “Os esportes como conteúdo das Práticas Aquáticas: conhecendo a NATAÇÃO – nados costas, borboleta e medley

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto: