Hidroginástica e Intensidade

Por Nanda

Olá queridos e queridas!

Você pratica Hidroginástica? Ou, é daquelas pessoas que até gostaria de praticar, mas acha que a hidroginástica é uma atividade muito “fraquinha”?

Se você não sabe muito bem do que se trata a modalidade ou de como trabalhamos a intensidade em uma aula de “hidro”, esse post é para você!

A OMS (Organização Mundial de saúde) recomenda que indivíduos adultos façam, por semana, 150 minutos de atividade física com INTENSIDADE MODERADA, ou 75 minutos de atividade física com INTENSIDADE VIGOROSA. Considerando essa recomendação, é importante que você pratique 50 minutos a mais de atividade física além das duas aulas semanais de hidroginástica que oferecemos no nosso curso do Sesc. Esses minutos faltantes podem ser distribuídos ao longo do seu dia em blocos de 10 minutos cada, por exemplo. Tenha em mente que toda forma de atividade física é válida, como: subir escadas, dançar, fazer jardinagem, caminhada, lavar o carro, entre outras atividades do dia dia. Sendo assim, fica bem fácil seguir essa recomendação, não é mesmo?

Vamos à questão da INTENSIDADE na aula de hidroginástica?

Você sabia que essa é uma variável muito importante a ser manipulada na prática de qualquer exercício físico? Pois é, e ela é tão importante, que a OMS a inseriu no seu protocolo de recomendação.

Ao entrar na piscina para fazer a aula de “hidro” o aluno já se depara com a primeira intensidade imposta que é a de transpor o meio líquido, pois, a água é mais resistente do que o ar exigindo, portanto, um maior esforço para realização dos movimentos corporais.

Além deste fato, podemos citar três variáveis básicas, que podem e devem ser usadas pelo aluno e pelo educador para aumentar o nível de intensidade na aula, são elas:

  • Amplitude do movimento;
  • Velocidade do movimento;
  • Utilização de materiais variados (flutuantes, de resistência ou de apoio).

Recapitulando!

Você já deve ter entendido que fazer exercícios dentro do meio líquido, utilizar diferentes amplitudes corporais, aumentar ou diminuir a velocidade dos movimentos e usar algum tipo de material, também aumentará a intensidade do seu treino, certo? Mas como saber se essa intensidade é a recomendada?

Primeiramente para saber qual é a intensidade recomendada para você é preciso fazer uma avaliação cardiológica!

Os exames habituais, além de fornecerem dados importantes para sua saúde física, indicarão uma referência fiel de intensidade que você poderá explorar. Esse dado lhe permitirá participar de uma aula de hidro com maior segurança, assim como qualquer outra atividade física.

O recomendado é, ao iniciar as aulas, que o aluno mantenha a intensidade leve para desenvolver maior percepção e consciência corporal. Dessa forma, saberá o momento ideal para aumentar ou diminuir a intensidade do exercício. Quanto mais assíduo for nas aulas, mais estímulos variados receberá e consequentemente terá maior ganho de condicionamento físico!

Existem várias formas de mensurar a intensidade do esforço em uma aula. A medição da frequência cardíaca é uma das mais utilizadas no meio esportivo.

Devido às inúmeras variáveis e dificuldades que temos para utilizar essa e outras formas de mensuração no meio aquático, optamos por utilizar outros formatos.

Nós educadores, estamos em constante observação dos alunos, e é a partir desta observação que conseguimos mensurar a intensidade da aula: avaliando a expressão de cansaço no rosto de cada pessoa; percebendo a condição física por meio da fala; fazendo alguns questionamentos para estimar o grau de consciência e entender como estão percebendo e sentindo aquele esforço.

Um outro formato que também podemos utilizar, é demonstrado nesta tabela abaixo. Com base no esforço sentido, temos uma referência aproximada de como estaria a frequência cardíaca naquele momento.

Agora que você já sabe que a Hidroginástica não é tão “fraquinha” como você imaginava, o que acha de experimentar? Ficaremos felizes em saber o que você achou!
Até a próxima aula! 😉


REFERÊNCIAS:

https://www.euro.who.int/en/health-topics/health-emergencies/coronavirus-covid-19/technical-guidance/stay-physically-active-during-self-quarantine

https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5753:mais-de-1-4-bilhao-de-adultos-correm-risco-de-desenvolver-doencas-por-inatividade-fisica-em-todo-o-mundo&Itemid=839

http://www.ficms.com.br/web/biblioteca/Treinamento%20em%20hidrogin%E1tica.pdf

Ide, Bernardo Neme; Sarraipa, Mário Ferreira; Lopes, Charles Ricardo. Fisiologia do treinamento esportivo: força, potência, velocidade, resistência, periodização e habilidades psicológicas. São Paulo: Phorte Editora, 2010.

Publicado por Equipe Atividades Aquáticas

Coletivo de Educadores dedicados à aprendizagem das habilidades e competências aquáticas. Mergulhe conosco.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto: