Mitos e Verdades na Hidroginástica

Por Milena

Hoje é dia de falarmos um pouquinho sobre alguns mitos nas aulas de hidroginástica  e o primeiro deles é a temperatura da água da piscina, um assunto muito polêmico, que gera muitas discussões durante a aula, afinal, quem nunca entrou em uma piscina para fazer uma aula de hidroginástica e achou que a água estava muito fria, que atire a primeira pedra.

Cada indivíduo tem uma percepção diferente do  ambiente aquático e da temperatura extracorpórea, e, por isso, podem  ter sensações muito distintas.

Na literatura, encontramos que a temperatura ideal para a prática de hidroginástica seria entre 28 a 31 graus celsius dependo da faixa etária e da intensidade da aula. Então, por que quando entramos na piscina, mesmo que a temperatura esteja correta, pode parecer que ela está muitooooooooooooo fria?

A água conduz calor mais rápido que o ar causando essa sensação de que água está fria. Outra observação é de que corpo, que está a uma temperatura média de 36 graus celsius, ao ser exposto a uma diferença de 8 graus, sentirá a queda de temperatura e deverá se adaptar a essa nova condição. Então fica a dica: ao entrar na água não fique parado, em poucos minutos seu corpo vai se adaptar, e esse desconforto térmico irá diminuir.

Agora se você, ao entrar na piscina, sentir que a água está quentinha, cuidado, é sinal que a temperatura está acima do ideal, e isso pode ser prejudicial. Sabe por quê? Durante atividades como a hidro produzimos calor e o corpo muito quente proporciona alterações como a diminuição da pressão arterial periférica o que pode levar a um grande mal estar e desmaio.

O segundo grande mito sobre as atividades aquáticas envolve a transpiração. Sabemos que  durante uma aula de Hidroginástica, assim como qualquer outra atividade física, iremos transpirar. Assim como a intensidade da aula, temperatura do ambiente, umidade relativa do ar e as características individuais do praticante,  a temperatura da água interferirá nesse mecanismo tão importante que nos ajuda na regulação da temperatura corporal.

O terceiro mito muito questionado e interessante à prática é o estímulo hídrico corporal, como a diminuição do inchaço no corpo e aumento do desejo de urinar,  e isso é absolutamente normal. Durante a imersão, há um estímulo do sistema linfático e circulatório que proporcionam queda da pressão arterial periférica e aumento do débito urinário, denominado diurese, com consequente perda de sódio, chamado natriurese, proporcionando o aumento da vontade de  ir ao banheiro, tanto quando estamos dentro da água como imediatamente quando saímos. Em relação aos edemas, sim, eles diminuem como resultado dessa perda de líquidos já citada e também pela melhora da circulação sanguínea.


Quando entramos na piscina nosso corpo passa por muitas sensações, você já tinha percebido? Permita-se a viver e sentir essas deliciosas sensações no seu próximo mergulho, mas, enquanto isso, continue de olho nas novidades e curiosidades aqui no blog.

Até o próximo post, saudosos abraços a todxs.

Publicado por Equipe Atividades Aquáticas

Coletivo de Educadores dedicados à aprendizagem das habilidades e competências aquáticas. Mergulhe conosco.

Um comentário em “Mitos e Verdades na Hidroginástica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto: